quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Ainda sobre alimentação.

Comecei a escrever o post sobre alimentação e como vi que tava muito grande resolvi dividir em dois posts.

Mas acabei esquecendo de citar as minhas fontes de informação. Pois bem, além da troca de experiências com outras mamães, leio muito o site da Pat Feldman, o Crianças na Cozinha. A Pat é uma culinarista que estuda muito sobre o assunto. Leva uma vida baseada numa alimentação extremamente saudável e livre de industrializados. Gosto das coisas que ele escreve, embora filtre muita coisa (os exageros sob meu ponto de vista), pois seria impossível pra mim, levar uma vida tão certinha no que diz respeito a alimentação. Ela tem uma parte do site toda voltada para a alimentação infantil, já que é mãe de um menininho e agora está grávida de outro. Me admirei com muitos artigos dela. Descobri coisas que nem passavam pela minha cabeça. Vou dividir algumas logo abaixo com vcs.

Um outro site que acompanho também é o Comer para Crescer, especializado para falar sobre aliemntação infantil. Gosto muito das dicas e informações que as meninas dão.

Falando mais um pouco sobre alguns temas acerca de alimentação.

Sucos >> Logo que comecei a introdução de alimentos pro Arthur me surpreendi com uma corrente que é totalmente contra oferecer suco para bebês. Oi? Como assim?? Sempre soube que bebê tomavam suquinho como a primeira alimentação diferente de leite em sua vida. A justificativa é simples. Os defensores da amamentação explicam que ao oferecer um outro líquido para o bebê, diferente do leite, o poderá levar a um desmame precoce. Já a Pat se fundamenta no excesso de açucar que um suco tem (ainda q o aúcar seja a frutose) e que ao espremer ou centrifugar uma fruta ela perde muito das suas melhores características, como as fibras, por exemplo. A sugestão dela é diluir os sucos, fazer os famosos refrescos!  Eu não aderi a isso. Arthur toma todos os dias seu suquinho. Na grande maioria das vezes é suquinho de laranja lima, adicionado de beterraba e cenoura (que congelo em cubinhos de gelo, após centrifugá-los. Basta adicionar ao suco de laranja. Super prático.). Ah, e sempre dêem preferência a um suco natural. Suquinhos industrializados, de caixinha, possuem corantes, aromatizantes, acidulantes, estabilizantes, antioxidantes e aditivos alimentares que podem levar a alergias e disfunções metabólicas e digestivas. Nada legal pra uma criança, não é? Caso queira ler mais sobre o que a Pat fala sobre os sucos clique aqui.

Gelatina >> Fiquei passada quando soube que a boa e velha gelatina é uma bomba na alimentação infantil. Sempre gostei e sempre ouvi falar bem delas. E porque elas são vilãs? Porque possuem corantes demais, conservantes, flavorizantes e muitoooooo açucar. A Pro Teste, associação de defesa de consumidores, realizou uma avaliação com gelatinas em pó existentes no mercado e detectou excesso de açúcar, corantes perigosos e a presença de adoçantes em versões normais do produto. A conclusão foi que esses itens não devem ser consumidos por crianças. Esses corantes presentes nas gelatinas são cancerígenos e podem causar alergia, hiperatividade e outros distúrbios de comportamento em crianças suscetíveis. Ah! O colágeno, que seria o benefício para a saúde, presente nos produtos, bem, segundo a Pro Teste, ele seria em quantidade muito pequena. Ou seja, não valeria a pena o consumo da gelatina por causa do colágeno.

Pra poder amenizar a situação, comprei a gelatina “Minha Gelatina” da Dr. Oetker, que é desenvolvida especialmente para crianças, elaborada com polpa de frutas e vegetais e corantes naturais (Urucum e cúrcuma), sendo assim, livre de corantes artificiais, os maiores vilões. Tem nos sabores: Abacaxi com Cenoura, Morango com Cenoura e Uva com Beterraba. Sei que tem açucar (MUITOOO!), mas deixo passar. Arthur gosta da gelatina, e meu coração fica mais tranquilo oferecendo desse tipo, livre dos terriveis corantes artificiais!

O ideal é fazer a gelatina caseira, a partir do mocotó, fazendo a geléia e adicionando suco natural de fruta a ela. Porém, isso leva tempo e paciencia. Tem a receita no site da Pat. Já prometi a mim mesma que vou experimentar essa façanha nas férias pra ver como fica. :)

Outras formas de fazer: comprar gelatina branca em folha e adicionar suco de fruta natural. Dessa forma é bem mais fácil fazer em casa e não terá todo o açucar e corantes que encontramos nas gelatinas industrializadas. Fica a dica!

Você pode ler mais sobre as terríveis gelatinas aqui e aqui.

Corantes >> São os grandes problemas na alimentação das crianças, principalmente bebês. Tais compostos, por sua natureza química, tendem a originar produtos de decomposição potencialmente tóxicos, seja por ação de microrganismos ou por transformações metabólicas no organismo. São causadores de alergias severas e intolerância alimentar em crianças, especialmente o Amarelo Tartrazina.

Uma outra pesquisa, mais polêmica, realizada na Grã-Bretanha, quis demonstrar que os corantes em excesso poderiam estimular a hiperatividade em crianças. A Agência de Alimentos do Reino Unido (FSA) proibiu o uso de 6 corantes artificiais em alimentos, devido as evidências que apontam sua associação com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). Quer dizer, não é que o corante cause Hiperatividade ou déficit de atenção nas crianças, mas aquelas crianças mais susceptíveis a isto, tem maior tendência em desenvolver esses distúrbios do comportamento.

Portanto, fique longe de alimentos com corantes artificais. Bebês e crianças não necesitam disso em sua alimentação!

Mel >> Não se deve oferecer mel a crianças menores de 1 ano! Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), pelo menos 5% do mel de abelha comercializado no Brasil está contaminado com uma bactéria chamada Clostridium botulinum.

Essa bactéria é a responsável por uma doença denominada de Botulismo. Como o sistema imunológico dos bebês ainda não está maduro, eles podem pegar uma forma da doença chamada botulismo infantil.

Por isso, mesmo que o bebê esteja resfriado, com tosse ou com prisão de ventre e você tenha ouvido falar que mel faz bem, não dê nem um pouquinho à criança se ela tiver menos que 1 ano.

Danoninho e afins >> Sabiam que o próprio fabricante recomenda que o Danoninho seja oferecido apenas para crianças a partir de 4 anos? Pediatras sabem disso, mas ainda assim insistem em indicar esse tipo de guloseima para bebês. Aí eu te pergunto: seu bebê realmente precisar comer algo cheio de açucar, corantes e outros conservantes?

No site da Pat Feldman tem uma receita de Danoninho caseiro, caso alguém se aventure a fazer para o filhote!

No blog comer para Crescer as meninas escreveram sobre os hábitos alimentares das crianças e resolvi transcrever aqui. Veja que interessante:

* As preferências e rejeições começam a aparecer por volta dos 2 anos. Até lá o seu papel é o de apresentar, o máximo de alimentos possíveis. Quanto maior a variedade mais chance do seu filho ser mais flexível na mesa.

* A criança nasce com certa predisposição para gostar de alguns alimentos e não de outros. Mas os hábitos dos adultos da casa, a cultura de onde ela mora e dos lugares que freqüenta influenciam muito.

*Acredite: se em casa a criança costuma tomar sucos de frutas, ela tende a rejeitar refrigerantes nas festinhas. O mesmo ocorre com outros alimentos. O paladar vai se acostumar com comidas saudáveis.

* Mas lembre-se que é você quem constrói os hábitos. Por isso sempre digo que ter filhos é a melhor forma de faze reeducação alimentar. Criança é uma ótima desculpa para a gente comer melhor. (To precisando me esmerar mais nisso..hehehhe)

* Não adianta querer que seu filho coma frutas, legumes e verduras se isso não faz parte do seu prato - ou pelo menos do seu (sua) companheiro (a). De novo: os hábitos da casa é que formam a criança.

* O paladar muda conforme a idade. Por isso hoje você gosta de alimentos que não ligava antes – e não entende como podia gostar de certas coisas na sua infância. Seu filho não vai gostar de shiitake e queijo brie aos 4 anos. Já quando for adulto...

* Para a criança gostar da comida ela precisa ter um contexto positivo. Ajudar na preparação, bom humor na mesa, uma prato bonito e colorido, e adultos que apreciam comer fazem uma super diferença.

* Não adianta fazer um prato nutritivo se a criança não sentir prazer. Ninguém come apenas por obrigação. Os verdes, por exemplo. Ela precisa ver que os pais sentem prazer em comê-los, assim vai associar brócolis a algo gostoso. Daí ser tão fácil gostar de chocolate. Já viu sua cara no espelho quando morde um?

Bem, essas são algumas das informações que tomei conhecimento navegando pela net desde a minha gravidez. Acho que sempre é válido compartilhar com outras mamães. Mas isso não quer dizer que eu seja radical com esta questão, não…não sou! Jamais vou ficar cerceando meu filho numa festinha proibindo-o de comer um brigadeiro ou um cachorro quente, por exemplo. O que quero é que ele tenha uma PREFERÊNCIA por alimentos saudáveis. E que comer essas besteiras sejam excessão e não regra em sua alimentação.

Acho que o fato de alimentar mal os filhos, oferecendo a eles produtos industrializados completamente desnecessários a eles, é puro desleixo, ainda mais quando se trata de bebês. Sim, porque hoje a informação está disponível em qualquer lugar e para qualquer pessoa, basta procurar. A responsabilidade da alimentação de nossos bebês é nossa, não deles. Agora é fácil controlar a alimentação do Arthur. Difícil será quando ele começar a pedir as besteiras! Por isso quero construir esse hábito saudável nele desde já!

Beijos, Flávia.

6 comentários:

  1. Demais o post!!
    Eu já andei lendo os 2 blogs pq acho que o assunto Alimentação Infantil é super importante. E como não sou um exemplo nesse assunto, tô sempre me informando!
    Eu não tenho filhos, mas tb não sou a favor de chocolates demais, açucares demais, corantes demais, quimicas demais! E sobre refri, é isso mesmo! Os filhos de uma amiga preferem mate e sucos aos refris pq foram acostumados assim. Eles tomam, vez ou outra, mas na escolha, o suco vence! Isso é uma vitória!
    Tb não sou a favor de radicalismo e sei que vc tb não é. Seu bom senso é admirável!!
    Arthur é um sortudo!!
    Perfeito o post, merecia maior visibilidade!
    Bjks, Beta

    ResponderExcluir
  2. Flavia,
    Seu post ficou realmente maravilhoso! Concordo plenamente com a Beta!
    Gui nos ultimos tempos estava comendo super mal, vivia na casa da avó rodiado de chocolates e biscoitos, mas desde que estou de licença a coisa tem melhorado muito! O fato de estar me alimentando de forma saldável tem influenciado muito mais do que eu podia imaginar. Só esta semana meu filho me pediu alface no jantar, melancia de sobremesa e acabou de comer uma ameixa (que estava bem ácida por sinal) que eu estava comendo! Incrível não?

    ResponderExcluir
  3. Rúcula e brócolis pra esse mlk!!!rs

    ResponderExcluir
  4. Oi Flavia, adorei seu post! Eu estou sempre tentando manter uma alimentação saudável para o Ben, mas confesso que já dei um Danoninho e um sorvetinho pra ele experimentar (tudo aprovado pelo pediatra, claro). Ele adora todas as frutas que experimentou até agora e tb varios tipos de suquinho. Só fica difícil quando tenho que passar o dia na rua, mas agora comprei o recipiente termico que guardar papinha da Chicco e está me ajudando muito! COnserva a sopa quentinha por até 5 horas!
    Como vc faz quando passa o dia na rua com o Arthur? consegue levar a sopa e as frutas?

    bjos!!

    ResponderExcluir
  5. Sofia,
    como eu congelo as papinhas do Arthur, dependendo do lugar que vou, e das horas que vou passar na rua, levo ela ainda congelada (e aí peço pra esquentar em algum restaurante, padaria, etc.) ou levo ela quentinha, na bolsa térmica que conserva ela assim por umas horinhas. Frutas levo enroladas num papel alumínio, principalemtne se for das do tipo que escurecem, como banana, e tb não tenho tido problema. Ou dependendo pra onde for, pode pedir fruta de sobremesa num restaurante, por exemplo.
    Por enquanto tem sido bem tranquilo. Espero que continue assim!!! :)

    Lu, que maravilha a gente ver reflexo de nossa boa alimentação em nosso filhos, né? O Guilherme pedindo alface deve ter sido TUDO! Fofo da tia!!!
    Saudades de vcs!

    Beta,
    obrigada! é isso qu quero, que lá na frente Arthur prefira um suco à uma coca-cola. Pq de viciada nesse troço já basta eu lá em casa, né? :) Tb conheço crianças assim que rejeitam refrigerante simplesmente pq não foram acostumados a beber isso desde pequeno. Acho isso fantástico!!! Se eu já conseguir isso com o Arthur já terá tudo valido a pena!

    Xande,
    se ele se espelhar em vc, não tenho dúvidas de que será nossa draguinha! Por enquanto parece que tem seu DNA no que diz respeito a alimentação. Amém! hehehehhe

    ResponderExcluir
  6. Olá Flávia

    Embora eu sempre venho por aqui, acredito que nunca comentei. Acompanho o Criative-se e o blog da Beta e a conheci através deles.

    Gosto muito da maneira que escreve, e embora eu ainda não seja mãe, gosto de acompanhar os assuntos que aborda, bastante pertinentes.

    Sobre o post de hoje, respeito a opinião alheia, mas concordo contigo em não adotar uma postura radical na alimentação. Há mães que não ligam e "implantam" em seus filhos hábitos nada saudáveis, outras ficam neuróticas e seguem à risca o que o pediatra diz. O equílibro é palavra de ordem.

    Gostei muito de sua visita lá no Mundinho referente à entrevista da Priscila. Fique à vontade para voltar, será muito bem-vinda.

    Um abraço

    Ah, seu filhote está cada vez mais bonito. Parabéns.

    ResponderExcluir

Vou adorar receber seu comentário!

Ocorreu um erro neste gadget