domingo, 3 de novembro de 2013

Capoeira–Troca de corda.

Olá!

Tem alguém aí?

Ultimamente tenho vindo aqui apenas para postar os marcos do desenvolvimento do Arthur. Muitos deixei passar, mas sempre que lembro e penso: “vou gostar de relembrar disso tudo daqui um tempo…”, venho aqui e registro.

Arthur este ano começou na capoeira. E já teve a troca de corda e batismo.

Não sou nenhuma entendedora de capoeira, mas sei que eles começam com a corda crua e vão evoluindo. Arthur teve o batismo e a troca de corda que agora é crua com ponta amarela!

O evento foi muito legal. Adorei as musicas, batuques, a alegria da criançada…contagiante!

Vou deixar fotos e vídeo do Arthur gingando. Alegre

20131027_095550

20131027_09580420131027_10084720131027_10493820131027_10495220131027_105526

20131027_115933

O vídeo do capoeirista com o gingado mais lindo!!!

Bjs,

Flávia

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

O Renascimento do Parto - o filme. Minhas impressões.

Ontem foi um dia muito esperado. O dia da Pré-Estreia do filme O Renascimento do Parto no Rio de Janeiro, do qual falei nesse post aqui. Foi uma sessão fechada exclusiva para os Benfeitores (aqueles que contribuíram no crowdfunding  com um valor pré determinado que daria direito a ingressos para essa pré estreia).
E ontem estávamos lá: Beta (minha irmã) e eu. E mais dezenas de ativistas do parto entre profissionais da área, doulas, mães, pais, gestantes e tantos outros interessados nesse universo fascinante!
O filme é maravilhoso. Um documentário muito elucidativo sobre a realidade obstétrica brasileira. É muito chocante também, quando passa cenas de nascimentos via cesariana, a solidão do bebê e da mãe após o nascimento. A mulher sendo colocada em segundo plano e o bebê tendo sua recepção repleta de procedimentos invasivos, que são feitos de rotina sem respaldos em evidências científicas. Foi de chorar! Aliás, o filme é de chorar do início ao fim. Impossível não se emocionar com cenas, relatos, sejam porque eles te chocam ou porque te emocionam pela beleza e respeito pelo nascimento. 



Ontem no filme constatei o que já sei de tanto que leio, participo de grupos. Que o rito de passagem que o nascimento representa para uma mãe e um bebê é muito importante para ser medicalizado, sistematizado como um processo em série, do quanto ele é importante para a criação do vínculo mãe-bebê! Que nossa realidade obstétrica nos coloca como o país com maior índice de cesarianas do mundo (52% contra os 15% recomendados pela OMS). Que os médicos por conveniência financeira e de agenda inventam desculpas mil para poder levar uma mulher para uma cesariana, com justificativas que aterrorizam as gestantes, sendo a grande maioria dessa mitos que não justificariam a cirurgia. Quantas de vocês que estão lendo esse post foi pra cesárea pelos mitos abaixo?

 

Enquanto via o filme e alguns relatos foi impossível eu não reviver o momento do nascimento do Arthur. Fui levada para uma cesariana absolutamente desnecessária. Eu chorei ao relembrar aqueles momentos desde a sentença de que seria uma cesárea até eu poder ter ele nos braços. Uma tremenda  impotência diante de tudo que tava acontecendo. E ali, vendo o filme com imagens de uma cesárea eu agradeci por não ter filmado o parto dele. Não iria conseguir rever imagens do meu filho sendo tratado como um objeto, sendo retirado de mim de qualquer maneira. E olha que Arthur não teve nitrato de prata sendo pingado em seus olhos nem foi aspirado (pelo que o Fabio me contou). Eu não autorizei o colírio e isso foi respeitado pela pediatra. Tb não tive meus braços amarrados e pude abraçar e pegar Arthur logo que saiu de mim, ele tentou mamar e minutos depois já foi levado para os cuidados. Mas ainda assim, saber que ele foi retirado de mim sem terem me dado tempo de meu trabalho de parto evoluir e poder viver uma experiência única, me dói! Como Arthur tava alto, empurraram minha barriga. Não ia suportar ver aquilo tudo.

E eu Lembro que logo que cheguei ao quarto após a cirurgia eu chorava dizendo: “Deu tudo errado!” e eu logo fui repreendida pela família de que nada tinha dado errado não! Que eu devia parar de bobagem porque tudo tinha corrido bem, Arthur e eu estávamos bem. Claro que sou muito grata de não ter tido nenhuma intercorrência, de poder estar com meu filho saudável e perfeito nos braços. Mas eu estava bem? Não! Não estava! Eu fui privada de vivenciar meu trabalho de parto. Fui privada de ter meu parto por motivos particulares do obstetra que não podia ficar à minha disposição aquele dia. Fui privada de poder esperar minha irmã chegar e registrar o nascimento como tanto queria. Fui levada para uma cesárea como se fosse uma emergência, sem tempo sequer de eu poder digerir aquilo tudo! Não, eu não estava bem! Estarmos todos bem após a cirurgia não foi o bastante! Mas a sociedade cobra uma felicidade da mulher recém parida. Ainda que não tenha sido do meu jeito, de como idealizei e me preparei, engoli o choro, e fui viver a felicidade de ter me tornado mãe, porque essa felicidade sim existia, pois isso independe da via de nascimento.



 
O clampeamento do cordão deve ser feito apenas após ele parar de pulsar.
Mas voltando ao filme, foi maravilhoso ver profissionais diversos falando sobre o parto humanizado, seus benefícios, ver lindos relatos de mulheres que vivenciaram essa experiência. Simplesmente emocionante! Estávamos todos inebriados de ocitocina – o hormônio do amor. Sem contar o gostinho bom de saber que nós benfeitores de todo Brasil colocamos esse documentário nos cinemas! Isso não tem preço!
O filme estreia amanhã  - 09/08 - no Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. As estreias em outras cidades estão informadas no site do filme. No Rio, o filme será exibido no Espaço cinema Itaú – na Praia de Botafogo, com sessões nos seguintes horários: 13:30h, 17h, 18:50h, 20:30h.
Não posso deixar de recomendar o filme a todos vocês! Seja você mulher ou homem, grávida ou não. Conhecer sobre a forma de nascer é imprescindível. Gravidinhas e tentantes, esse filme é de suma importância. Não deixe que a experiência de nascimento de seus filhos seja envolta em frieza e violência. Nós mulheres e nossos bebês merecemos respeito ao nosso tempo, nossa natureza  e nossos corpos.  Informe-se para poder exigir o melhor pra você e seu bebê. Até porque se gastamos tanto energia em planejar o enxoval e o quartinho do bebê com todo nosso amor e carinho, porque negligenciar o planejamento do parto? Porque deixar essa decisão em mãos de terceiros, ainda que ele seja seu médico de confiança, de anos? Assistam e depois me contem suas impressões? Até agora só tenho feedback de pessoas ligadas ao movimento do parto, que são ativistas ou simpatizantes. Muito gostaria de saber o que achou uma pessoa totalmente fora do movimento, aquela que nunca pensou muito a respeito do assunto. Queria saber qual mensagem ficou e se foi tocado pelo filme como nós ficamos.
O site do filme tá lindo! Dá uma olhada: http://www.orenascimentodoparto.com.br
Lá também tem muita informação que toda mulher deve conhecer. 

 Imagens fonte: site do filme. http://www.orenascimentodoparto.com.br Lá tem muitas outras informações e imagens!

Beijos ocitocinados! 
Flávia









domingo, 28 de julho de 2013

O Renascimento do Parto - Coming Soon!


Há tempos tô querendo vir aqui falar do filme O Renascimento do Parto.

Breve teremos no cinema a estreia do filme "O Renascimento do Parto" nos cinemas.
Ter o filme nos cinemas foi fruto de muita dedicação dos produtores do filme (Érica de Paula e Eduardo Chauvet) e de muito engajamento de milhares de ativistas e simpatizantes do parto humanizado e nascimento. Explicando: foi necessário levar o filme para uma campanha de crowdfunding pela plataforma Benfeitoria.com.




A meta mínima era arrecadar R$65.000,00 para ser possível levar o filme até os cinemas. A meta desejada era chegarmos até R$ 110.000,00 para que a produção do filme fechasse sem dívidas, pagando a todos os envolvidos no projeto. E a campanha surpreendeu a todos. Bateu todos os recordes de arrecadação por crowdfunding. Não me recordo agora em quantos dias atingimos as metas de R$65mil e R$110 mil, mas foram em questão de dias, 1 semana talvez! Ao final do prazo de arrecadação, o projeto arrecadou R$ 142.351,00 (equivalente a 219% da meta estipulada). Não é fantástico isso?

Graças a essa excelente arrecadação, teremos o filme rodando nos cinemas!!! \0/

"O filme "O Renascimento do Parto" retrata a grave realidade obstétrica mundial e sobretudo brasileira, que se caracteriza por um número alarmante de cesarianas ou de partos com intervenções traumáticas e desnecessárias, em contraponto com o que é sabido e recomendado hoje pela ciência. Tal situação apresenta sérias conseqüências perinatais, psicológicas, sociais, antropológicas e financeiras. Através dos relatos de alguns dos maiores especialistas na área e das mais recentes descobertas científicas, questiona-se o modelo obstétrico atual, promove-se uma reflexão acerca do novo paradigma do século XXI e sobre o futuro de uma civilização nascida sem os chamados "hormônios do amor", liberados apenas em condições específicas de trabalho de parto."


No Rio de Janeiro terá a Pré-estreia do filme no dia 07/08, apenas para convidados e alguns benfeitores! E eu estarei lá junto com minha irmã Beta e algumas caixas de lenço! Vai ser maravilhoso estar lá presente nessa pre-estreia!

O cronograma mais atualizado de exibição do filme pelo Brasil é esse abaixo:

Pré- estreias:
06/08 - São Paulo – Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca.
07/08 - Rio de Janeiro – Espaço Itaú de Cinema – Botafogo. 
08/08 - Brasília – Espaço Itaú de Cinema – Shopping CasaPark.
Estréia nessas 3 cidades em 09 de agosto

Pré-estreias:
13/08 - Porto Alegre - Espaço Itaú de Cinema.
14/08 – Florianópolis - Cinespaço Beira Mar.
15/08 – Curitiba - Espaço Itaú de Cinema.
Estréia nessas 3 cidades em 16 de agosto.

Pré-estreias:
19/08 – Belo Horizonte Cine Belas Artes. A confirmar.
20/08 – João Pessoa Cinespaço Mag Shopping.
21/08 – Salvador - Espaço Itaú de Cinema.
Estréia em BH, Recife, Salvador e João Pessoa em 23 de agosto e outras cidades... a confirmar!


Assista ao trailer oficial do filme pelo link abaixo! O trailer atingiu 100 mil visualizações em 4 dias!! 





O filme foi selecionado para o 6º Los Angeles Brazilian Film Festival!!!

Abaixo, o link pro vídeo promocional do filme:




Eu tô ansiosíssima para a estreia desse filme. Um filme que promete mudar a realidade obstétrica do Brasil. E essa mudança urge!!
Vá ao cinema assistir ao filme! Leve uma amiga grávida para assistir também. A informação é nossa melhor arma contra o sistema!

Eu vou com o maior prazer com amigas, grávidas ou não, que queiram ir conhecer o porquê de tanta luta em prol do respeito ao parto e nascimento.




Após assistir ao filme, volto aqui para deixar minhas impressões! 
Beijos, Flávia.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Fraldas: game over!

E Arthur desfraldou por completo! Desde dezembro de 2012 não temos mais bebê de fralda em casa.

O processo começou em janeiro de 2012 com o desfralde diurno, como contei aqui. Foi um processo bem tranquilo, bem diferente do que imaginei que seria. Acho que fizemos tudo na hora certa, na horinha dele. Não teve stress, não tivemos muitos acidentes (posso contar nas mãos as escapulidas de xixi), não tivemos problema com o cocô, que aliás Arthur desfraldou primeiro com o #2 do que com o #1.
Mas a fralda pra hora de dormir permanecia. Eu não estava com pressa de tirar, ele ainda acordava de fralda cheia toda manha, muitas vezes a fralda não dava conta e até vazava, então tudo isso me fez ver que ele ainda não estava preparado. Teimar em desfraldá-lo seria stress na certa.

Até que lá pra outubro/novembro ele começou a acordar com a fralda sequinha. Ele continuava tomando a big mamadeira antes de dormir, não reduzi a ingestão de líquidos, então deduzi que ele já estava conseguindo controlar o xixi, como um rapazinho. Mas ainda mantive a fralda por uns bons dias pra ter certeza q ele continuava neste processo.
Até que em 1º de dezembro resolvi não mais colocar fralda. Conversei com ele, expliquei que ele não dormiria de fralda e que era necessário fazer xixi antes de dormir e chamar a mamãe caso sentisse vontade a noite.
E lá fomos nós nos aventurar no mundo do desfralde noturno.

Nas primeiras noites não dormi tranquila. Ficava acordando de tempos em tempos pra checar se houve alguma escapulida e duas vezes acordei ele no meio da noite pra poder ir ao banheiro. Mas não deu certo. Arthur ficava irritado, chorava e vi que não valia a pena. Ia passar a confiar então no auto controle dele.

E por incrível que pareça não tivemos quase nada de acidentes. Apenas nas duas noites em que estávamos em Penedo, ele fez xixi a noite na cama do hotel. Não sei porquê, mas desconfio que tenha sido por causa do ar condicionado, devia estar frio, não sei.

E após 30 dias sem fraldas pra dormir considerei Arthur completamente desfraldado (tinha bem claro na minha mente que se o acidentes fossem constantes, iria recuar pra tentar mais a frente, sem problemas).

Posso dizer que o desfralde foi muito tranquilo com ele. Acho que percebendo os sinais que a criança dá e tendo a paciência necessária para fazer no tempo dela, evita-se stress desnecessário e é sucesso na certa! Não adianta desfraldar com uma idade específica, ou pq a sociedade começa a te cobrar o desfralde, ou porque você acha q a criança já tá grande demais. Cada um tem seu tempo, sua maturidade. Aqui foi no tempo dele e foi nota dez!

Arthur desfraldou diurnamente aos 2 anos e 5 meses e completamente aos 3 anos e 4 meses!

A novidade agora é que não quer mais usar o redutor de assento sanitário. Só quer saber de sentar sozinho no vaso (sem nossa ajuda) e direto na tábua. E fica todo orgulhoso vendo que não precisa mais do redutor! Fofo!

É...meu bebê tá crescendo mesmo!

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Adeus, chupeta!

Encerramos mais um ciclo. Arthur deu adeus à sua chupetinha!
Não foi fácil. Desde que desmamou, com 1 ano e 3 meses, Arthur grudou na chupeta, talvez como compensação.
Próximo a fazer 3 anos começou a me incomodar, porque ele queria ficar o tempo todo de chupeta. Mas eu, que nunca fui molenga com essas questões, tava cheia de dó de iniciar o processo de retirada da chupeta. Ele pedia, eu dava.
Chegando próximo ao Natal, usei a velha tática de convencê-lo a entregar ao Papai Noel e começamos a fazer a lavagem cerebral no menino. Ele não dava bola, parecia que estávamos falando com as paredes. Mas depois ele começou a demonstrar medo de Papai Noel. Nada que tinha o velhinho, ele se interessava. Chorava falando que queria presente de mim e do pai, mas não do Papai Noel. Muito espertinho, né? Acabei parando de associar Papai Noel à chupeta pra não deixá-lo com medo.

Até programamos uma viagem em Dezembro pra Penedo porque lá a cidade fica toda decorada pro Natal e tem a casa do Papai Noel, onde muitas crianças deixam as chupetas e mamadeiras lá. Mas não rolou. Ele nem quis chegar perto da Casa do Papai Noel. E também não forcei.

Até que chegou o Natal! Arthur ganhou de Papai Noel a tão desejada pista de hotwheels! No meio daquela euforia toda com seu presente, aproveitei que ele estava sem chupeta (aliás, nos 2 dias anteriores ao Natal ele ja estava ficando o dia todo sem chupeta - coisa rara na época!) e falei:
-"Arthur, Papai Noel levou sua chupeta, né? Você ganhou um presentão!"
- "É! Levou!" - e continuou a brincar!

Naquela hora aproveitei a deixa, escondi a chupeta dele e me preparei pra ser firme quando ele se desse conta do que estava acontecendo.

Na hora de dormir teve chororô, implorou pela sua chupetinha (que dor no coração) e acabou dormindo. Durante a madrugada também acordou algumas vezes pedindo e eu sempre lembrando a ele de que ele tinha dado pro Papai Noel. Foram uns 3 dias assim, com os choros diminuindo ao longo dos dias.

Foi mais tranquilo que imaginei. Achei que seria bem mais complicado!
Mas no quinto dia do processo, ele achou uma chupeta velha, que não era a oficial e que ele nem gostava muito e quando viu, perguntou: "Posso usar, mamãe?".
Gelei na hora! E lembrei a ele que ele não chupava mais chupeta. Não adiantou. Rapidamente ele levou a chupeta à boca, deitou na cama e ficou lá no maior love com a chupeta. Deixei ele matar um pouquinho da saudade. Até que logo depois ele começou a tossir, engasgado. Aproveitei e falei que a chupeta que tinha feito ele engasgar. Ele tirou, me entregou e saiu do quarto. Foi brincar. Morri de orgulho!!

Não foi como eu imaginei. Pensava em fazer um ritual dele se despedindo de fato da chupeta, deixando ela na árvore pro Papai Noel trocar pelo presente, ou ele deixando na Casa do Papai Noel. Fiquei até com uma pontinha de culpa de ter sido assim, meio no susto pra ele. Mas foi a forma que deu, e como sei que é o melhor pra ele, isso me basta!

 Hoje Arthur é um menino grande que não usa mais chupeta. Nem fralda, mas essa parte conto depois! ;)
#aos3anos5meses

domingo, 18 de novembro de 2012

Arthur lendo histórias…

Arthur tem estado numa fase imaginária muito aguçada. Ele as vezes tá brincando e começa a imaginar as coisas. e nós temos que entrar na história dele. Tem vezes que ele finge fazer um bolo, corta o bolo e dá na nossa mão. E exige que a gente coma o bolo. Temos que fingir que estamos comendo o tal bolo imaginário. rs.

Outras vezes está cantando uma música e no meio começa a inventar uma nova letra pra música. Normalmente usando nomes nossos, dos colegas, de obejtos que estão perto dele, e quase sempre entra sol, lua e estrela nas músicas dele.

E lendo historinha também. Ele pega um livro e começa a inventar a historia daquele livro.

E hoje começou assim. Logo depois do almoço, Arthur pegou um livro e foi pra minha cama pra ler. O primeiro livro ele “inventou” a história. Mas nos outros ele foi contando a história de acordo com as imagens que ele via. Quando percebi que estava muito fofo aquilo tudo, resolvi registrar. consegui fazer 3 vídeos de 3 livros diferentes. Mas editei o video do ultimo livro “O que tem dentro da sua fralda?”. Foi tão fofo que não resisti! E até legenda eu fiz pra poder facilitar a compreensão.

O mais engraçado é ver ele repetindo alguns termos que usamos quando contamos historinha. E também que a professora da escola deve usar: “Era uma vez...” “Certo dia...”, “Felizes para sempre!”.

Fofo demais! :)

Share it