sexta-feira, 5 de março de 2010

A qualidade da alimentação dos bebês brasileiros.

Na Folha de São Paulo saiu uma reportagem que falava sobre a péssima qualidade da alimentação dos bebês no Brasil. Choquei quando li que a pesquisa revelou que bebês comiam lazanhas prontas, bebiam refrigerante e se entupiam de biscoitos recheados. Não, não estavam falando de crianças de 3, 4 anos, mas sim de bebês entre quatro meses a um ano de idade!

Onde vamos parar? Que tipo de estilo de vida esses pais querem dar pra seus filhos? Entopem os bebês de alimentos cheios de gordura, açúcar, sal, corante e outros aditivos alimentares sem a menor necessidade? Me diz: pra quê um bebê precisa tomar refrigerante? Comer miojo? Biscoitos recheados? E salgadinhos tipo batata chips? Na boa, não entra na minha cabeça.

Vejam um trecho da reportagem falando sobre a pesquisa feita:

Participaram do estudo 179 crianças, entre quatro e 12 meses, de famílias das classes A, B e C de São Paulo, Curitiba e Recife. O objetivo era saber o que elas comiam durante sete dias. As mães foram orientadas a anotar tudo em uma planilha.

No meio da papelada, apareceram lasanha pré-pronta congelada, macarrão instantâneo, refrigerante, salgadinho tipo batata chips, chocolate, suco artificial e muita bolacha recheada. Os bebês também bebem muito leite de vaca.

Nenhum dos alimentos citados acima deve entrar na alimentação dos bebês de até um ano de idade por terem baixo valor nutricional (engordam, mas não nutrem), serem ricos em gordura (inclusive trans), açúcar e sal. No caso do leite de vaca, por ser inadequado.

A reportagem termina com uma série de perguntas e respostas sobre alimentação de bebês que vale a pena ler! Fala sobre as novas recomendações da SBP – Sociedade Brasileira de Pediatria (principalmente em relação a ovos  e peixe) e sobre o que fazer e, principalmente, o que não fazer com a alimentação dos nossos bebês. Tem muita informação bacana.

Veja 20 respostas sobre alimentação de bebês

1 - Posso dar peixe na primeira papinha?
Sim, mas somente para criança a partir dos seis meses. Se o bebê não tem essa idade, melhor aguardar. "Antes da introdução dos alimentos que podem causar reação alérgica é preciso avaliar antecedentes de alergia na família", diz Roseli Sarni, da SBP. Em geral, ela afirma, a aceitação ao peixe tem sido muito boa e sem relatos de reação alérgica.

2 - A reação alérgica ao peixe é comum?
Não. Cerca de 2,5% da população infantil pode desenvolver alergia ao leite, 1%, ao ovo e menos de 0,5%, ao peixe. "O peixe é uma ótima fonte proteica, com ferro que é bem absorvido pelo organismo", diz Mauro Toporovski, professor da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo.

3 - Quais peixes são os mais adequados?
Os macios e sem espinhas, como cação e porquinho. Podem também os que são fonte de ômega 3 (salmão), gordura poli-insaturada importante para o desenvolvimento do sistema nervoso central, da retina e na prevenção de doenças crônicas, como obesidade e hipertensão. "A presença dessa gordura também facilitaria ao organismo ter tolerância aos alimentos", explica Roseli Sarni.

4 - Dá para iniciar a papinha com ovo?
Sim. Já se pode incluir o ovo cozido inteiro (ou metade), bem amassado. É uma boa fonte de gordura e de colesterol bons se oferecido entre duas e três vezes na semana. Mais do que isso há excesso de colesterol. O ferro do ovo é pouco absorvido pelo organismo e não é fonte de zinco, portanto, ele não substitui as carnes.

5 - Pode colocar carne em pedaços?
Sim. Caso não seja possível desfiar ou amassar a carne, ela pode ser desmanchada no liquidificador. Quando o bebê conseguir mastigar, a carne é oferecida em pedacinhos. "O ferro da carne, vermelha ou branca, é quase três vezes mais absorvido pelo organismo do que o das leguminosas e hortaliças", diz Mauro Toporovski.

6 - Há diferença nutricional entre a papinha feita só com caldo de carne e a feita com pedaços?
Sim. A nutricionista Tânia Rodrigues, diretora da RG Nutri, de São Paulo, explica que em 30 gramas de carne há cinco gramas de proteínas. Uma papa sem carne não tem o nutriente essencial para o crescimento do bebê. "Cerca de 50% da formação celular das crianças dessa idade vêm da proteína", diz. As proteínas são essenciais para a multiplicação das células de ossos, pele, cabelo, unhas e órgãos.

7 - Quais carnes vermelhas são mais indicadas?
Músculo, além de patinho, coxão mole, alcatra e fraldinha.

8 - Famílias vegetarianas podem dar apenas papinha sem proteína animal?
Famílias que não comem nem carne branca nem ovo necessitam de acompanhamento nutricional com especialistas para evitar que a criança tenha deficiência de ferro. Segundo a SBP, a partir do sexto mês cerca de 70 a 80% de ferro e zinco que o bebê precisa devem vir de comidinhas saudáveis, e não do leite. O alimento mais eficaz para um aporte rápido desses minerais é a carne.

9 - O que é melhor: dar um ingrediente por vez ou misturar tudo?
A papa de transição deve ser misturada para o bebê se acostumar à consistência e à textura. Entre oito e nove meses, se inicia a separação dos alimentos.

10 - Pode usar sal?
Nunca. Os alimentos e o leite já contêm sódio que supre as necessidades diárias do bebê até um ano de idade. "Pode colocar essa resposta em letras bem grandes porque é muito difícil convencer mães, cozinheiras, babás e avós a evitar o sal na papinha, pois os brasileiros gostam de comida salgada", diz Mauro Toporovski.

11 - Quais temperos podem ser incluídos?
Salsa e cebolinha, cebola e um fiapo de alho.

12 - Pode colocar óleo?
Sim. Um fio de óleo vegetal, que não contém colesterol, quando a papa está pronta. "Em geral, quando se faz um refogado, a queima do óleo produz uma substância que é irritante para a mucosa gástrica (a parte interna do estômago) para os adultos e em particular para os bebês", explica a nutricionista Tânia Rodrigues.

13 - O que é proibido?
Temperos prontos, em tabletes ou pó. Atenção com espinafre, beterraba, rabanete, erva-doce. "Quando esses alimentos são reaquecidos, os nitratos presentes neles são convertidos em nitritos e nitrosaminas, substâncias carcinogênicas", diz Roseli Sarni.

14 - Quais são as sobremesas mais indicadas para os bebês? Por quê?
Os purês de frutas cozidas sem açúcar, como o purê de maçã. Também se pode oferecer salada ou sorvete de frutas sem açúcar e feitos em casa. "Se a mãe quiser variar a sobremesa, deve mudar a forma de preparo ou apresentação da fruta", diz Roseli Sarni.

15 - Por que dar apenas frutas de sobremesa?
Porque é a sobremesa ideal para atingir as porções necessárias para serem ingeridas num dia. Melhor ainda que sejam frutas ricas em vitamina C, como a laranja, para ajudar na absorção de ferro. Além disso, elas estimulam a mastigação e o bom funcionamento intestinal, pois também fornecem fibras. Roseli Sarni explica que nesse período o paladar infantil está sendo moldado e se a criança comer mais alimentos doces do que os de qualquer outro sabor pode criar um padrão e aceitar apenas comidinhas doces. Ou seja, quando a criança tiver de comer "os verdes" será um perrengue, porque o paladar dela prefere bolo, bala e bolacha recheada.

16 - Então, não pode dar bolacha recheada?
Nunca antes de a criança completar dois anos. Segundo Tânia Rodrigues, nutricionista da RG Nutri, dar alimentos saudáveis favorece o bom funcionamento do sistema gastrointestinal, a aceitação de sabores salgados, amargos e azedos. E esse tipo de bolacha costuma ser "recheado" de açúcar e gordura.

17 - Não é para dar nenhum tipo de bolacha?
Pode dar, sim. Os biscoitos simples, como os de água, que, quando liberados pelo pediatra, podem ser incluídos nos lanches da manhã ou da tarde com sucos de frutas. "Esse tipo de biscoito sem recheio e com sabor suave, assim como o pão francês amanhecido, ajudam no estímulo à mastigação", diz Tânia Rodrigues.

18 - Bebês podem comer gelatina artificial?
Não, porque são alimentos extremamente ricos em açúcar refinado, corantes ou conservantes e edulcorantes (mesmo a versão normal). "As gelatinas não são recomendadas em uma alimentação saudável", afirma Roseli Sarni.

19 - Pode-se oferecer água ou suco para o bebê matar a sede após a papinha?
"Nas fases iniciais de introdução da alimentação complementar, antes da plena aceitação, recomenda-se leite materno", explica Roseli Sarni. Quando o aleitamento materno exclusivo termina, o bebê que já se acostumou com a papa de legumes e carne pode beber água nos intervalos das refeições e nos dias mais quentes.

20 - Por que manter a oferta de leite materno após a papinha?
Segundo Sarni, além de ser um alimento completo, há estudos mostrando que o leite materno protegeria o bebê de reações alérgicas à comida nesse período de transição. "Mas isso é controverso, pois há documentos indicando que o leite materno não teria esse efeito protetor." A oferta do leite materno após a papa ocorrerá por um curto período de tempo, até o bebê se acostumar à refeição.

A reportagm completa, você encontra aqui.

Bjs, Flávia

11 comentários:

  1. Oi, Flavia.
    Eu tinha ouvido sobre a pesquisa na rádio e realmente assusta.
    Acho que tudo em excesso é ruim. Pra mais e pra menos. Não vejo nenhum problema em dar um biscoito recheado pra Duda se lambuzar uma vez. Mas não pode fazer parte do cardápio dela. Se eu estou comendo uma lasanha dessas da sadia e ela fica olhando não vou dar um pedaço pra provar? Não vejo nenhum mal. Ontem ela me viu tomando suco, desses de saquinho, e não achei legal, que ela provasse. Guardei o copo pra ela não ficar olhando. Tem que ter bom senso, né? Tudo depende da rotina da criança. O Gui sempre teve acesso a doce em casa, nas festas. Nunca neguei. Mas pelo menos, até agora, ele não curte doce. Não é a rotina. Ele recusa bolo e brigadeiro nas festas e é capaz de trocar por uma maçã. Na escola, as professoras dizem que ele come umas 4 porções de fruta na sobremesa. Adora. É o hábito. O sal é um problema. Eu coloco sal na papinha, sim. Não muito, mas uma pitada, quase psicológica. Mas não sou neurótica com isso. Outro dia, deixei ela roendo um pão de queijo. Inclusive o nutrólogo recomendou queijo pra ela. Refrigerante sou terminantemente contra dar pros meus filhos. Eu não tomo refrigerante há quase 20 anos. Se não tomo porque não faz bem pra mim, não vou dar pra eles, né?
    Sobre a cardiologista, ela disse que como a Duda está bem, podemos esperar ela crescer mais. Quanto maior ela for, mais fácil será a cirurgia (maior o coração) e maior a chance de fazer uma só. Confesso que tive vontade de ir a outro médico pra saber se ele concorda em esperar mais. Sobre o leite... o nutrólogo tinha me falado que talvez usássemos esse leite, caso o ganho de peso não fosse adequado, mesmo antes de um ano, mas eu resolvi dar antes da próxima consulta, achando que o ganho de peso ia ser mais rápido...

    ResponderExcluir
  2. PQP!!!!!! Que post!! Que aulaaaa!!!
    Sei que sou supeita porque você é minha irmã, mas ateé a Lucia, ontem, falando de qq coisa elogiou seus posts... e do nada, sem eu induzir! hahaha
    Eu acho essa questão delicada, prioritária e requer muito a atenção dos pais. Nós somos preguiçosos de natureza e acabamos sendo quando o assunto é o filho tb! Não por mal, mas por preguiça... só que isso pode custar bem caro!
    Assim como sou super cautelosa com medicamentos sou cautelosa com comida artificial mais ainda!! Corantes, acidulantes, conservantes e todos esses "antes" precisam ser ingeridos com cutela! É preciso informação! Tipo: Eu tomo refigerante mesmo sabendo o mal que ele me faz. Eu tomo a versão zero mesmo sabendo que o aspartame pode me fazer mal." Se sou consciente a esse ponto beleza, não dá é pra ser alienado. Temos tanta fonte de informação hoje em dia, não dá pra dizer que não sabíamos! E quando o assunto é bebês e crianças piorou!!! Há de se ter cautela sim!!! Se existem movimentos pra que se promova os lanches saudaveis nas escolas pras crianças, abolindo salgadinhos, biscoitos recheados e refrigerantes, como ofertar isso a um bebê?? Comida industrializada, temperos artificiais... eu não uso Sazon na minha comida, vou colocar na do meu filho? Pq é isso que tem nas comidas de caixinha... sazom!! Sal, ciclmatos e todo o resto que não faz bem a longo prazo! Depois a mãe reclama que o filho não come legume, não toma o leite... ofereceu todos os atrativos ao paladar, doces e salgados, o bebê ou a criança vai gostar do legume e do leite? Eu não gostaria!
    Enfim... papo pra dias!
    Eu não sou radical, vc sabe. Radicalismo é sempre burro. Mas acho esse um assunto sério e não dá pra negligenciar! Que nos reeduquemos e não teremos essas porcarias pra ofertar oas nossos filhos! ;))
    PErfeito! Parabéns!
    Bjks, Beta

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o artigo!
    Muito importante a leitura pra as mamães, vovós, titias e dindas!
    Educação alimentar começa no berço. É importante desde já, cuidarmos da alimentação de nossas crianças para que que no amanhã, possamos evitar disfunções e doenças derivadas à uma má alimentação.

    Parabens pelo post, e pela bela mãe que vc é! Sempre preocupada e procurando conhecimentos pra cuidar bem do Arthur!

    Beijão,

    ResponderExcluir
  4. Flavia,
    é verdade, eu falei mesmo que seus posts estão melhores a cada dia!
    Aqui em casa gui passou a ter uma alimentação menos regrada depois de um ano e meio, até então só comia a sopinha da vovó! aos poucos conheceu chocolate e biscoito recheado por conta dos meus pais que vivem dando porcarias para ele... A verdade é que estou resgatando a boa alimentação dele, sem radicalismos.
    Com a Duda vou seguir da mesma forma e acredito que seja o mais acertado.
    beijos,

    ResponderExcluir
  5. Flavinha, adorei o post!!!
    Super instrutivo e, infelizmente, assustador!
    Não imaginava que desse essas coisas a bebês tão pequeninos!
    beijoca

    ResponderExcluir
  6. Flávia!!!
    escreve um livro menina!!! pq quero lembrar de tudo isso qd chegar a minha vez!!! então dá pra vc escrever até uns 4, 5 anos do Arthur!!! rsrsrs
    mt bom o post!!! vontade de q todas os mamães leiam isso aqui!!!
    Parabénsss!!!

    bjaooo

    ResponderExcluir
  7. já vi tb muita coisa esdrúxula, mas a madrinha da minha filha viu o que eu achei o pior de tudo: uma avó na praia dando cerveja na lata pra um bebê!!!

    ResponderExcluir
  8. Nossa!!! Lasanha e refri pra bebezinhos??? Soso já provou algumas "porcarias", mas so molhei a boquinha dela e pronto!!! Morro de medo dela viciar em besteira... Ainda bem que aki em casa nos comemeços e bebemos besteirinhas so de vez enquando...

    E eu adorei as dicas do pergunta e resposta mas fiquei com umas duvidas...
    Vamos ver se minha "gurua" em alimentação me ajuda! rsrsrs

    Pergunta 9 - Nossos babies já tem 8 meses... vc ja esta colocando a comidinha separada? arrozinho, feijaozinho??? como vc faz?

    Pergunta 13 - Como assim nao pode requentar espinafre, beterraba? eu esqueto no microondas ou em banho maria (ja ouvi falar que nao pode colocar direto no fogo..) mas eu esquento..

    Pergunta 17 - vc da pao pro arthur já? Eu dei uma vez pra sophia mas ela ficou com uma baita dor de barriga... rsrs

    Sal nao consigo deixar de colocar... ponho pouco mas coloco! E o oleo?! No que vou fritar a cebolinha e o alhinho?

    ResponderExcluir
  9. Nine,

    vamos lá, vou falar de como eu faço, talvez nao seja o politicamente correto...r.s...

    Comidinha separada. Já fiz assim pro Arthur: batata amassada + cenoura ou abóbora amassada + batata baroa amassada + carne ou frango triturado. E caldinho de feijão por cima.
    De resto eu ainda dou como papinha, batida grosseiramente no liquidificador.

    Tb nao sabia dessa historia das nitrosaminas. Como congelo a papinha dele, eu sempre tenho que esquentar. Faço em banho-maria. E nas papinhas dele semrpe tem esprinafre ou beterraba.

    Nunca dei pão pro Arthur. Medo dele engasgar..rs

    Coloco sim, uma pitadinha de sal na papinha dele. Tenho que me controlar, pois adoro um sal! rsrsrs...

    E refogo o alho e cebola no azeite. Mas já fiz tb refogando no óleo. Nào vejo mto problema nisso.

    bjs
    Flavia

    ResponderExcluir
  10. Nine e Flávia!
    Aprendi com uma nutricionista do trabalho que dá pra refogar o alho pra fazer o arroz, por exemplo, num pouquinho de água, sem precisar colocar óleo! Eu já fiz isso algumas vezes e funciona! O que mata é o costume, quando vejo já coloquei o óleo. Eu não acho que faz mal o fiozinho de óleo que usamos pra refogar e dourar o alho, o problema é o acumulo de óleo, já que eu me amarro numa friturazinha! ;) Quando lembro refogo na água e não faz a menor diferença! Testem um dia pra vocÊs verem! ;)

    Bjks, Beta

    ResponderExcluir
  11. Flavinha
    bricadao mesmo pela ajuda de sempre viu!!! Minha gurua!! hehehe

    Beta
    Vou testar esta de fritar na agua!
    Brigadao!

    ResponderExcluir

Vou adorar receber seu comentário!

Ocorreu um erro neste gadget